Carta Branca a Matthew C. Wilson · Cineclube EA

Contactos

Cineclube 2022-23

Equipa do Cineclube EA 2020/21

 

Benjamim Gomes

Diogo Pinto

Francisca Dores

João Pinto

Leonardo Polita

Luísa Alegre

Luiz Manso

Maria Miguel

Mariana Machado

Miguel Ribeiro

Miguel Mesquita

 

com o apoio

Carlos Natálio

Mais Informações

Programa 1

Fluídos e capital fluem. Imagens e líquidos vazam. O significado escorrega no meio de todo tipo de efervescência. Reprodução - ou a sua negação - como um processo que se espalha por imagem, capital, trabalho, ideologia, humano e animal. O primeiro programa da série é sensorial e corporal, mas profundamente engajado com as estruturas sociais e relações sociais extraídas tanto da história quanto projetadas em futuros especulativos. O corpo e a imagem estão profundamente entrelaçados - desde a base material até às políticas (sexuais em constante mudança) do olhar. Vale a pena lembrar que um dos primeiros espaços prototipicamente modernos de espetáculo (visual) foi o teatro das operações e dissecções.

An Industry and Its Irreplaceable Medium (2022) - Zachary Formwalt
Reproductive Exile (2018) - Lucy Beech
For a Life Long Disease of Copper (2021) - Alice dos Reis
Sight Leak (2022) - Peng Zuqiang
Qualities of Life: Living in the Radiant Cold (2022) - James Richards

Programa 2

No poema "Burnt Norton" de T. S. Eliot, um pássaro diz "a humanidade / Não pode suportar muita realidade". Para se sustentar sob o peso do mundo, a mente humana desenvolveu meios diversos - da mitologia à matemática - para mediar seus encontros, alterando e gerando agências materiais e imateriais no processo. O cinema também participa desse comércio de mediação. A tarefa de separar o que é sinal do que é ruído, o que é percebido do que é projetado, e o que é inerente do que é construído pode às vezes parecer uma missão impossível. No entanto, num lugar onde a audiência permite que seus sentidos sejam enganados, o cinema é justamente o local para tal meditação. Neste programa de filmes, a mente flui para outros recipientes, profundezas são sondadas, e um mar de agências — ambas alienígenas e familiares, se frequentemente esquecidas — dentro e fora subjugam os espectadores.

Grains of Truth a chapter from ADINA - Emilia Tapprest (NVISIBLE.STUDIO)
Earthquakes (2017) - Maya Watanabe
VUCCA (2016) - Carlos Casas 
Aphotic Zone (2022) - Emilija Škarnulytė
The Unmanned - 1953 - The Outlawed (2018) - Fabien Giraud & Raphaël Siboni
nimiia cétiï (2018) - Jenna Sutela
Black Cloud 黑云 (2021) - Lawrence Lek

Programa 3

Na dança da luz cintilante e no jogo de sombras, o tempo torce e vira-se. Espaços escurecidos, das cavernas antigas ao cinema, e dispositivos que conjuram imagens, da Fantasmagoria da lanterna mágica à televisão, permitem que o tempo e o espaço sejam dobrados, baralhados e cortados em novas configurações. As cronologias desmoronam e os limites entre os vivos e os mortos confundem-se. E, no entanto, a nova disposição parece perfeitamente plausível. O controle dos efeitos da realidade do cinema, e dos media em geral, anda de mãos dadas com o controlo do próprio terreno da história e do conhecimento — uma batalha contínua, em andamento há milénios. Que outros terrenos além do terreno desmoronado da modernidade são possíveis? Qual é a topografia do tempo Hauntológico? Estes filmes podem ser mapas; apesar da aparente linearidade de um filme, ele tece intrincadamente o tempo numa rede.

Shokouk (2022) - Pejvak (Rouzbeh Akhbari and Felix Kalmenson)
Black Beauty (one channel) (2021) - Grace Ndiritu
La cabeza mató a todos (2014) - Beatriz Santiago Muñoz
Taxonomic Ambiguity (2022) - Juan Arturo García
You May Own the Lanterns, but We Have the Light (Pt. I Home Alone) (2022) - Haig Aivazian

 

06 JUN · 13 JUN · 20 JUN · 18:30 · entrada livre
Auditório Ilídio Pinho 
 

Carta branca a Matthew C. Wilson / Overcoming the forms of the outer world

Este programa prescinde de um tema abrangente para uma constelação de linhas extrapoladas e imaginadas entre si. Distribuídos por três sessões, os filmes deste programa trazem adiante uma cascata de conceitos, serpenteando entre motivos. No geral, os filmes privilegiam a perceção, a sensação e o encontro, por vezes baseados numa narrativa, outras vezes não. Embora não destinado a ser uma pesquisa, este programa procura representar uma ampla gama de práticas de imagem em movimento de artistas, da animação ao documentário especulativo. A forma como as imagens são criadas nestes filmes frequentemente importa tanto quanto o que elas mostram.

As escalas mudam, os limites confundem-se, as formas dobram-se, e os sons infiltram-se. Qualquer coisa viva ou não-viva, de plantas a algoritmos, pode assumir uma agência. Permutações e interpenetrações da tecnologia no humano, na paisagem, e em domínios além do planeta podem simultaneamente alienar e produzir uma intimidade próxima. Nas profundezas — sejam do mar, da psique, ou espaços aparentemente adjacentes à inteligibilidade — encontros com alteridades concretas misturam-se com as projeções de sonhos. A história acena com o seu fardo pesado e o futuro desperta num pull and push que é tanto interno quanto externo. O presente parece suspenso em algum lugar num tédio cíclico e na perpétua e ansiosa possibilidade por um outro tipo de mundo, se não esta noite, então amanhã.

Ciclo de cinema com escolhas de Matthew C. Wilson, artista em residência na Escola de Artes em 2023, realizado em parceria com o programa InResidence da Câmara Municipal do Porto.

 

Contactos

Cineclube 2022-23

Equipa do Cineclube EA 2020/21

 

Benjamim Gomes

Diogo Pinto

Francisca Dores

João Pinto

Leonardo Polita

Luísa Alegre

Luiz Manso

Maria Miguel

Mariana Machado

Miguel Ribeiro

Miguel Mesquita

 

com o apoio

Carlos Natálio

Mais Informações

Programa 1

Fluídos e capital fluem. Imagens e líquidos vazam. O significado escorrega no meio de todo tipo de efervescência. Reprodução - ou a sua negação - como um processo que se espalha por imagem, capital, trabalho, ideologia, humano e animal. O primeiro programa da série é sensorial e corporal, mas profundamente engajado com as estruturas sociais e relações sociais extraídas tanto da história quanto projetadas em futuros especulativos. O corpo e a imagem estão profundamente entrelaçados - desde a base material até às políticas (sexuais em constante mudança) do olhar. Vale a pena lembrar que um dos primeiros espaços prototipicamente modernos de espetáculo (visual) foi o teatro das operações e dissecções.

An Industry and Its Irreplaceable Medium (2022) - Zachary Formwalt
Reproductive Exile (2018) - Lucy Beech
For a Life Long Disease of Copper (2021) - Alice dos Reis
Sight Leak (2022) - Peng Zuqiang
Qualities of Life: Living in the Radiant Cold (2022) - James Richards

Programa 2

No poema "Burnt Norton" de T. S. Eliot, um pássaro diz "a humanidade / Não pode suportar muita realidade". Para se sustentar sob o peso do mundo, a mente humana desenvolveu meios diversos - da mitologia à matemática - para mediar seus encontros, alterando e gerando agências materiais e imateriais no processo. O cinema também participa desse comércio de mediação. A tarefa de separar o que é sinal do que é ruído, o que é percebido do que é projetado, e o que é inerente do que é construído pode às vezes parecer uma missão impossível. No entanto, num lugar onde a audiência permite que seus sentidos sejam enganados, o cinema é justamente o local para tal meditação. Neste programa de filmes, a mente flui para outros recipientes, profundezas são sondadas, e um mar de agências — ambas alienígenas e familiares, se frequentemente esquecidas — dentro e fora subjugam os espectadores.

Grains of Truth a chapter from ADINA - Emilia Tapprest (NVISIBLE.STUDIO)
Earthquakes (2017) - Maya Watanabe
VUCCA (2016) - Carlos Casas 
Aphotic Zone (2022) - Emilija Škarnulytė
The Unmanned - 1953 - The Outlawed (2018) - Fabien Giraud & Raphaël Siboni
nimiia cétiï (2018) - Jenna Sutela
Black Cloud 黑云 (2021) - Lawrence Lek

Programa 3

Na dança da luz cintilante e no jogo de sombras, o tempo torce e vira-se. Espaços escurecidos, das cavernas antigas ao cinema, e dispositivos que conjuram imagens, da Fantasmagoria da lanterna mágica à televisão, permitem que o tempo e o espaço sejam dobrados, baralhados e cortados em novas configurações. As cronologias desmoronam e os limites entre os vivos e os mortos confundem-se. E, no entanto, a nova disposição parece perfeitamente plausível. O controle dos efeitos da realidade do cinema, e dos media em geral, anda de mãos dadas com o controlo do próprio terreno da história e do conhecimento — uma batalha contínua, em andamento há milénios. Que outros terrenos além do terreno desmoronado da modernidade são possíveis? Qual é a topografia do tempo Hauntológico? Estes filmes podem ser mapas; apesar da aparente linearidade de um filme, ele tece intrincadamente o tempo numa rede.

Shokouk (2022) - Pejvak (Rouzbeh Akhbari and Felix Kalmenson)
Black Beauty (one channel) (2021) - Grace Ndiritu
La cabeza mató a todos (2014) - Beatriz Santiago Muñoz
Taxonomic Ambiguity (2022) - Juan Arturo García
You May Own the Lanterns, but We Have the Light (Pt. I Home Alone) (2022) - Haig Aivazian

 

Contactos

Cineclube 2022-23

Equipa do Cineclube EA 2020/21

 

Benjamim Gomes

Diogo Pinto

Francisca Dores

João Pinto

Leonardo Polita

Luísa Alegre

Luiz Manso

Maria Miguel

Mariana Machado

Miguel Ribeiro

Miguel Mesquita

 

com o apoio

Carlos Natálio

Related Events

27
Fev
18:30
15
Mar
19:00

Agenda

Fev

27
Cinema

Auditório Ilídio Pinho

Porto4150
Portugal
  • Ciclos de Cinema
  • Cinema
  • Homepage

Mar

15
Cinema

Cinema Trindade Porto

Rua do Almada 412
Porto4050-034
Portugal
  • Ciclos de Cinema
  • Cinema
  • Homepage
15
Cinema

Cinema Trindade Porto

Rua do Almada 412
Porto4050-034
Portugal
  • Ciclos de Cinema
  • Cinema
  • Homepage
16
Cinema

Cinema Trindade Porto

Rua do Almada 412
Porto4050-034
Portugal
  • Ciclos de Cinema
  • Cinema
  • Homepage
16
Cinema

Cinema Trindade Porto

Rua do Almada 412
Porto4050-034
Portugal
  • Ciclos de Cinema
  • Cinema
  • Homepage
17
Cinema

Trindade

Rua do Almada 412
Porto4050-034
Portugal
  • Ciclos de Cinema
  • Cinema
  • Homepage