Alunos da Escola das Artes integram YOCOCU Portugal

Vários estudantes do Centro de Conservação e Restauro da Escola das Artes integram a equipa YOCOCU Portugal, associação sem fins-lucrativos criada em novembro de 2018. A associação junta-se às associações homónimas em Itália e Espanha com o objetivo de sensibilizar a sociedade em geral, e em particular os jovens, para a importância da preservação e valorização do património cultural.  
 
A YOCOCU pretende igualmente estreitar a relação entre os jovens profissionais (ou estudantes), os profissionais mais experientes e o tecido tecnológico e empresarial, promovendo a sua participação em iniciativas e atividades dedicadas ao desenvolvimento e dinamização do setor em Portugal.
 
A YOCOCU Portugal está sediada no Departamento de Engenharia Civil da Universidade de Aveiro e a sua apresentação formal irá decorrer durante a conferência Green Conservation of Cultural Heritage 2019, organizada pelo CITAR (Centro de Investigação em em Ciência e Técnologia das Artes) e pela YOCOCU- Itália,  e que decorrerá na Escola das Artes entre 10 e 12 de outubro.
 
 
pt
18-01-2019

Mestrado em Som e Imagem (Design de Som) visita a Sonoscopia

 

No dia 15 de janeiro os alunos do Mestrado em Som e Imagem com Especialização em Design de Som visitaram a Sonoscopia.
 
A Sonoscopia é um espaço onde confluem artistas relacionados com a sound art, música experimental, improvisada e eletroacústica. É um espaço partilhado por um núcleo regular de colaboradores que gravitam em redor da arte sonora onde nos últimos cinco anos de actividade tem desenvolvido projectos como Srosh Ensemble, Phonopticon, Phobos - Orquestra Robótica Disfuncional, Insono, Porto Sonoro entre muitos acolhimentos, residências, workshops e 150 concertos de aproximadamente 40 nacionalidades.
 
A visita foi promovida no âmbito da unidade curricular Artes Sónicas do Mestrado de Som e Imagem. Neste contexto, interessa conhecer de perto os desafios, motivações e processos artísticos de diferentes obras do universo da arte sonora como o desenvolvimento de novos instrumentos e timbres, o desafio inerente à criação artística e musical em redor do objecto sonoro e a relação com o património sonoro e o seu potencial artístico e identitário.
 
pt
18-01-2019

Após estudo e conservação na Escola das Artes imagem da Virgem Peregrina de Fátima viaja para o Panamá

Imagens de arquivo: Cortesia Arquivo do Santuário de Fátima

 

Imagem que acompanha Papa Francisco nas Jornadas Mundiais da Juventude foi estudada no Centro de Conservação e Restauro da Escola das Artes, na Católica do Porto

A escultura n.º 1 da Virgem Peregrina de Fátima viaja, este domingo, 20 de janeiro, até ao Panamá, para estar presente nas Jornadas Mundiais da Juventude, iniciativa que decorre de 22 a 27 de janeiro e que conta com a presença do Papa Francisco. Antes desta importante viagem, a imagem, datada de 1947, foi alvo de um processo de estudo técnico e material no Centro de Conservação e Restauro da Escola das Artes da Católica no Porto, a entidade escolhida pelo Museu do Santuário de Fátima para levar a cabo a identificação dos materiais que constituem o suporte e superfície da escultura, bem como a caracterização das técnicas construtivas utilizadas.
 
A este nível, refira-se que, durante 15 dias, o Centro de Conservação e Restauro desenvolveu um estudo aprofundado que permitiu perceber a forma como José Ferreira Thedim criou a escultura. Numa primeira fase, os investigadores do Centro tentaram perceber o estado de conservação do suporte e detetar intervenções passadas de conservação ou restauro. De seguida – e de forma a estudar o número e a espessura das camadas de tinta, identificar pigmentos, vernizes e outros materiais utilizados na escultura – recolheram e analisaram micro-amostras com o auxílio de infravermelhos e de raios-x.
 
Intervenção possibilita viagem de aproximadamente 8.000 quilómetros
 
Durante o processo de exame e análise da escultura – criada segundo a descrição da irmã Lúcia –, foi executada, ainda, a estabilização estrutural da base, um dos pontos mais sensíveis da imagem. Carla Felizardo, diretora do Centro de Conservação e Restauro da Escola das Artes da Católica no Porto, refere que “a fragilidade da base e a necessidade de estabilidade da escultura levaram a que fosse realizado um reforço estrutural, essencial tendo em conta a viagem de aproximadamente 8.000 quilómetros que a imagem fará, agora, até ao Panamá”.
 
Também ao cuidado do CCR da Escola das Artes esteve o andor que transporta a figura em procissões, tendo este sido alvo de uma intervenção de conservação e restauro. Esta, para além da remoção de repintes que ocultavam grande parte da superfície dourada original, procurou devolver à peça a sua estabilidade estrutural, bem como a sua leitura histórica e artística. 
 
Para a diretora do Centro, “é um enorme motivo de orgulho saber que o nosso Centro fez parte do processo de estudo e conservação da imagem que acompanhará o Papa Francisco nas Jornadas Mundiais da Juventude”. “A confiança que o Santuário de Fátima depositou no nosso trabalho, dando-nos a oportunidade de contactar com uma peça desta natureza, é, sem dúvida, um marco inigualável e que faz já parte das memórias mais importantes do Centro”, conclui. Recorde-se que esta escultura percorre, desde 1947, os caminhos do mundo, tendo passado, em menos de 10 anos, pelos cinco continentes, sendo, talvez, a peça artística mais viajada do mundo. 
 
Uma saída excecional para um acontecimento eclesial de primeira importância
 
Entre 1947 e 2003, ano em que a Imagem Peregrina n.º 1 foi entronizada na Basílica de Nossa Senhora do Rosário, saindo apenas excecionalmente do Santuário de Fátima, foram contabilizados cerca de 630 mil quilómetros percorridos pelos cinco continentes, aproximadamente 15 voltas ao mundo, tomando como referência o perímetro equatorial. 
 
Numa mensagem aos cristãos do Panamá, o padre Carlos Cabecinhas, reitor do Santuário de Fátima, falou da “enorme alegria que é enviar a Imagem Peregrina mais importante para a Jornada Mundial da Juventude”. “Esta Imagem Peregrina é única, é a primeira e a original, aquela que percorreu os vários continentes, aquela que deu várias vezes a volta ao mundo”, refere o reitor do Santuário, que sublinha o caráter “absolutamente excecional” desta saída. “Entendemos que este é um momento muito importante e que, por isso, justifica a saída desta Imagem Peregrina n.º 1”, explica, justificando, ainda, as Jornadas Mundiais da Juventude 2019 como um “acontecimento eclesial de primeira importância”.
 
Por outro lado, “sabemos o quanto a devoção a Nossa Senhora está, desde a origem das Jornadas, ligada a este acontecimento”, revela, ainda, o reitor. “Sabemos o quão devoto era a Nossa Senhora o Papa S. João Paulo II e, por isso e muito naturalmente, quando criou as Jornadas Mundiais da Juventude, deu-lhe um cunho mariano, o que era, por si só, motivo mais que suficiente para o envio de uma Imagem para nós tão importante”, conclui.
 
 
 
pt
18-01-2019

Jonathan Uliel Saldanha - Artista Residente na Escola das Artes 2018/19

Vista da exposição Afasia Tática na Culturgest Porto 

Depois de Nuno da Luz, Jonathan Uliel Saldanha será o próximo Artista Residente da Escola das Artes. Entre janeiro e abril de 2019, o artista irá desenvolver uma peça coral que também será apresentada na bienal BoCA em abril. Este concerto/performance será uma colaboração com o coro de cegos da Gulbenkian sobre a paixão de Cristo. Uma obra de arte total que incluirá apresentações no auditório Ilídio Pinho e uma memória do espetáculo na Sala de Exposições que abrirá em meados de abril. Durante a residência terão lugar uma série de conversas em torno do processo de desenvolvimento do espetáculo.
 
Jonathan Uliel Saldanha é um construtor sónico e cénico que trabalha na intereceção do som, do gesto, do palco e do filme. É fundador do coletivo SOOPA, co-fundador da editora SILORUMOR, uma das partes do duo FUJAKO e diretor dos HHY & The Macumbas. Em novembro estreou a peça SØMA na Culturgest Lisboa, e em 2017 as instalações de vídeo e som AFASIA TÁTICA, na Culturgest Porto, e ANOXIA, na Bienal Ano Zero em Coimbra.
 
Co-criador das peças de palco BOCA MURALHA, SHARK, REI TRILOGY e encenador das peças JUNGLE MACHINE, KHORUS ANIMA, O POÇO e OXIDATION MACHINE apresentadas em espaços como o Museu de Serralves, o Accès(s) Festival, o Teatro Municipal Rivoli e o Palais de Tokyo, Paris.
 
pt
07-01-2019

Público: a melhor exposição do ano teve curadoria do diretor da Escola das Artes

 
O Ípsilon (suplemento cultural do Público) considerou “Um Realismo Necessário” de José Pedro Cortes como a melhor exposição do ano, no seu resumo cultural de 2018. A exposição teve curadoria de Nuno Crespo, diretor da Escola das Artes, e esteve patente no Museu do Chiado, em Lisboa, de 28 de junho a 28 de outubro.
 
O jornal justifica a escolha com “o modo como o artista assegurou este movimento [o regresso ao mundo dos elementos fotografados], fundando-o na sensibilidade generosa do seu olhar”, mas também com o trabalho do curador que se provou “sensível à multiplicidade de imagens que esse mesmo olhar fixou”. Estas duas contribuições “fizeram de Um Realismo Necessário a exposição do ano.”
 
No Museu do Chiado, esteve em exposição uma seleção de fotografias de José Pedro Cortes, feitas entre 2005 e 2018, algumas inéditas e outras que já haviam sido publicadas nos seus livros. “Sem geografias ou tempos”, as imagens “revelam o seu interesse na representação do corpo humano”, transitando entre o interior e o exterior, entre os centros e as margens. Segundo o texto da exposição, o artista “aceita a complexidade deste tempo, a sua fabricação e os seus impulsos, a sua vulnerabilidade e beleza, que não permite leituras dogmáticas".
 
O Público destaca nesta exposição “a importância consagrada a uma experiência visual do mundo, um realismo que não festeja a realidade em si mesma, nem propõe uma fuga da sua experiência, mas que afirma a sua contingência e pluralidade fenoménica.”
 
Leia o artigo do Público na íntegra aqui.
Leia a crítica de José Marmeleira à exposição (5 de julho) aqui.
 
Dezembro de 2018
 
pt
21-12-2018

Workshops para investigadores - CITAR

 

Workshops para investigadores - CITAR

O CITAR - Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes- está a promover dois workshops direcionados para investigadores:

> Uma ideia, um projeto, por Marisa Borges
18 de dezembro | 10h00 às 13h00
Escola das Artes
 
Neste workshop serão revistas as oportunidades de financiamento para as Artes e Humanidades do H2020. 
 
> Projetos Artísticos: da ideia à execução, por Helena Marinho
9 de janeiro | 14h00 às 17h00
Escola das Artes
 
Neste workshop discutir-se-ão estratégias para desenvolvimento e submissão de projetos, aproveitando a grande experiência e a taxa de sucesso em financiamento que a Doutora Helena Marinho apresenta. 
 
Inscrições e informações > Maria Silva: mnsilva@porto.ucp.pt
pt
04-12-2018

Participações do CITAR na área de Som&Música em três conferências internacionais

 

Investigadores do CITAR na área de Som&Música apresentaram comunicações em três conferências de âmbito internacional:
 
 
No 8º Encontro de Investigação em Música (ENIM), que decorreu de 8-10 Nov na ESE e ESMAE do Instituto Politécnico do Porto, apresentaram comunicações orais:
— Daniel Moreira (CITAR; ESMAE):  "Tempo e memória, desejo e obsessão: a música de Bernard Hermann para o filme Vertigo de Alfred Hitchcock”; 
— Paulo Perfeito (CITAR; ESMAE) “Jazz Harmony: Polymodal Quintessence”;
— Ana Catarina Lopes Pinto (com os co-autores: Sofia Lourenço e Paulo Ferreira-Lopes): "A técnica de arco no ensino do violino”;
— José Oliveira Martins (CITAR): "O impulso polimodal em Lopes Graça: o caso das suite 'In Memoriam Béla Bartók' , op. 126”. 
 
 
 
Na Nova Contemporary Music Meeting (NCMM18) que decorreu de 21-23 Nov, evento organizado pelo CESEM (Centro de Investigação em Estética e Sociologia da Música) da Universidade Nova de Lisboa, apresentaram comunicações:
— José Oliveira Martins (CITAR): "Lutosławski’s Twelve-Note Chords and the Renewed Exploration of Harmony”;
— Daniel Moreira: "Time and memory, desire and obsession: Bernard Herrmann’s music for Hitchcock’s Vertigo”;
— Paulo Perfeito: "Jazz Harmony: Chordscales and Implied Modulatory Fields”;
— Henrique Portovedo: "Composition Models for Augmented Instruments and New Interfaces: HASGS as Case Study”.
 
 
 
Nas Journées d'Analyse Musicale (JAM2018), organizadas pela Société Française d’Analyse Musicale e que decorreram a 23-24 Nov em Aix-en Provence, França, apresentaram comunicações:
— José Oliveira Martins: "Multi-Layered Harmony, Polymodality, and Scalar Dissonance in Early-Century Music and Theoretical Accounts”;
— Daniel Moreira: "Connecting Musical Shots: A Film-Inspired Model of Continuity in Moment-Time Compositions of Debussy, Stravinsky, and Messiaen”.
 
 
 
pt
04-12-2018

Pages