> 24Mai · Buffalo 66'

24/05/2022, 18h30 | AUDITÓRIO ILÍDIO PINHO

BUFFALO 66'
de Vincent Gallo
Estados Unidos, Canadá 1998, 110'


 

Sinopse

Após sair da prisão, Billy Brown regressa à neve de Buffalo, à procura de visitar a sua família. Não o querendo fazer sozinho, rapta uma bailarina na pretensão de fingir ser a sua nova esposa.

Folha de sala 

"L'Enfant Terrible"

por Carlos Lobo (professor, fotógrafo e realizador)

É difícil escrever de uma forma neutra quando se está a falar de um dos filmes que marcaram uma juventude como é o caso do filme Buffalo ‘66 do sempre polémico Vincent Gallo. Primeira longa-metragem de Gallo, que escreve, realiza e interpreta uma das personagens principais (algo que viria a fazer em filmes seguintes) Buffalo ‘66 é um clássico do cinema independente americano. Estreado em 1998, Buffalo ‘66 conta no elenco, para além de Gallo, com a ainda relativamente desconhecida Christina Ricci ao lado de atores já estabelecidos Ben Gazzara e Anjelica Huston ou Mickey Rourke. A história do filme tem como protagonista o lendário misfit de botas vermelhas Billy Brown (Gallo), que, mal acabado de sair da prisão, sequestra uma jovem aspirante a misfit sapateadora chamada Layla (Ricci), obrigando-a a fingir ser sua esposa numa tentativa desesperada de impressionar os seus pais (Gazzara e Huston). O título refere-se à equipa de futebol americano Buffalo Bills, que não vencia um campeonato desde o jogo do Campeonato da Liga de Futebol Americano de 1965 (na verdade foi jogado em 28 de dezembro de 1965, quatro dias antes do início de 1966). O argumento do filme envolve referências indiretas à derrota pela margem mínima dos Bills para o New York Giants no Super Bowl XXV, que foi decidida por um field goal falhado, que na visão distorcida da realidade por parte de Billy Brown resultou de resultado combinado, levando ao seu posterior infortúnio. Apesar de ser um dos títulos mais conhecidos da filmografia de Vincent Gallo, tendo inclusive sido listado pela revista Empire como o 36º maior filme independente já realizado, continua a ser uma espécie de filme de culto do cinema independente. Nesta perspetiva, este filme funciona como espécie de manual “DO IT YOURSELF” de como fazer cinema de autor: com um orçamento de menos de 2 milhões de dólares, foi filmado na cidade natal de Gallo, Buffalo, Nova York, durante o inverno. Uma outra característica típica de filme independente é o seu casting bastante reduzido bem como os cenários serem todos locais da própria cidade, o que resulta numa forte economia de meios. Marcado por um argumento sucinto em diálogos e muito dependente da química entre Gallo e Ricci (que funcionam aqui como uma espécie de Sid e Nancy, essa dupla clássica de desajustados da sociedade) Buffalo ‘66 é genial na exploração tumultuosa da relação complicada entre os dois protagonistas e que, por sua vez, espelha a difícil relação que Billy Brown tem com os pais ao longo do filme. 

É um filme a ver e rever, se possível com um bloco de notas para apontar os vários momentos geniais de realização e a belíssima fotografia (filmado em película reversível), assinada por Lance Acord. Vincent Gallo terminaria o filme zangado e de costas voltadas para quase todo o elenco e equipa técnica, acusando-os de incompetência e falta de profissionalismo, algo que voltaria a repetir-se em posteriores filmes como o controverso filme Brown Bunny de 2003, que viria a fundamentar a fama de Vincent Gallo como um dos maiores enfants terribles do cinema contemporâneo.