Vincent Moon · Para uma Não Dualidade (2021, Artes e Realidades) – Cultura de Remistura, Cinema Sónico e Apropriações no Domínio Cósmico

17.06.2021 18:30
Auditório Ilídio Pinho

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

17.06.2021 18:30 Vincent Moon · Para uma Não Dualidade (2021, Artes e Realidades) – Cultura de Remistura, Cinema Sónico e Apropriações no Domínio Cósmico Link: https:///pt/central-eventos/vincent-moon-para-uma-nao-dualidade-2021-artes-e-realidades-cultura-remistura-cinema

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto | Auditório Ilídio Pinho

 

SEE ENGLISH BELOW

Aulas abertas 2021 · Arte / Pensamento / Som
Vincent Moon · Para uma Não Dualidade (2021, Artes e Realidades) – Cultura de Remistura, Cinema Sónico e Apropriações no Domínio Cósmico
17 JUN · 18H30 · Performance
Auditório Ilídio Pinho

Moderador: Pedro Alves
 
Uma experiência visual e musical guiada por Mathieu ‘Vincent Moon’ Saura fundindo palavras sobre os domínios de realidade em fusão, uma experiência live cinema improvisada, e uma exploração de estados planetários de consciência modificatos através dos seus documentários sobre rituais e corpos, parte da coleção Petites Planètes collection. Uma performance rara criada especificamente para a Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa. 
 


BIO

Mathieu Moon Saura, também conhecido por ‘Vincent Moon’, é um realizador independente e explorador sónico de Paris. Desde 2009 ele tem viajado pelo mundo, realizando filmes etnográficos-experimentais, gravando músicas tradicionais e sagradas, filmando rituais religiosos e shamánicos, para a editora Petites Planètes. O seu trabalho explora estados transcendetes usando imagens e sons, bem como aspetos ritualísticos de sociedades e comunidades. Moon assumiu um papel de destaque em meados dos anos 2000 como realizador principal dos Take Away Shows da La Blogothèque. O projeto alojado na web de gravações de músicos e bandas apresentando o seu trabalho em locais inesperados levou o New York Times a nomear Moon como o "re-inventor do video musical". Ao longo da sua carreira, ele tem estado fortemente ligado a músicos de todos os contextos. Ele documentou tudo desde música roque para estádios até músicas a capella de aldeia, desde experimentações em eletrónica a rituais de transe. Ele disponibiliza todo o seu trabalho – filmes e gravações audio – acessíveis através da internet, sob licenças open source. 

website



Open programme 2021 · Art / Thought / Sound
Vincent Moon · Towards Non-Duality / Remix Culture, Sonic Cinema and Appropriations in the Cosmic Realm
17 JUN · 18H30 · Performance
Ilídio Pinho Auditorium
 
Moderator · Pedro Alves
 
A visual and musical experience guided by Mathieu ‘Vincent Moon’ Saura merging words about our merging realms of reality, an improvised live cinema experience, and an exploration of planetary modified states of consciousness though his own documentaries on rituals and bodies, from the Petites Planètes collection. A rare performance created specifically for the School of Arts — UCP.

BIO

Mathieu Moon Saura, otherwise known as ‘Vincent Moon’, is an independent filmmaker and sound explorer from Paris. Since 2009 he has been traveling the world making ethnographic-experimental films, recording traditional and sacred music, filming religious and shamanic rituals under the label Petites Planètes. His work now explores transcendent states using images and sounds, as well as the ritualistic aspects of societies and communities. Moon rose to prominence in the mid 2000s as the main director of La Blogothèque’s Take Away Shows. The web based project of recording musicians and bands performing their work in unexpected locations led Moon to be dubbed ‘the re-inventor of the music video’ by the New York Times. Throughout his career, he has been strongly connected to musicians from all backgrounds and walks of life. He has documented everything from stadium rock music to a capella village songs, from experimentations in electronics to trance rituals. He makes all his work - films and sound recordings - accessible to everybody on the internet, under open source licenses.