Arenário · Francisco Tropa

28.02.2018 13:30 — 13.04.2018 17:00

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

28.02.2018 13:30 13.04.2018 17:00 Arenário · Francisco Tropa Link: https:///pt/central-eventos/arenario-francisco-tropa

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto

Exposição
Arenário
Francisco Tropa

Curadoria: Nuno Crespo

28 FEV – 13 ABR 2018
Sala de Exposições da Escola das Artes
 
Nesta exposição Francisco Tropa apresenta-nos uma instalação que parte de um dos seus trabalhos desenvolvidos anteriormente para a Representação Portuguesa à Bienal de Veneza, em 2011. “Arenário” constitui uma oportunidade única de vermos esta obra do artista em contexto instalativo, e que raramente é apresentada segundo a sua forma original: partindo de um dos sete dispositivos de projeção criados para a exposição “Scenario” de Veneza.
 
Sobre “Scenario”:
O dispositivo de projecção está fixo. O movimento só acontece quando os objectos se movem. Mas algumas imagens estão estáticas, num tempo aparentemente inalterável, num tempo que, afinal, acaba por ser um espaço pictórico. Esta questão relembra os primórdios do cinema: a câmara estava fixa, revelando uma imobilidade que correspondia ao ponto de vista do espectador.
Patrícia Rosa, Arte Capital

Resumo da Exposição

 


Vistas de Exposição
Fotos © Filipe Braga
 



Francisco Tropa
Francisco Tropa estudou na Escola António Arroio em Lisboa e completou o plano de estudos no Ar.Co, onde é professor no Departamento de Escultura desde 1996. Desta mesma instituição foi bolseiro no Royal College of Arts de Londres (1992) e, entre 1995-1996, foi bolseiro da Fundação Alfred Topfel na Kunstakademie, Münster. Entre os prémios que recebeu encontram-se o Prémio Amstelveen (1997) e o Prémio de Desenho da Bienal das Caldas da Rainha (1998).
Tendo começado a expor no final dos 80, foi na década seguinte que viu o seu trabalho reconhecido com participações em diversas exposições coletivas, que culminaram no projeto realizado em parceria com Lourdes Castro para a XXIV Bienal de São Paulo (1999) e a participação na Bienal de Veneza com Une table qui aiguisera votre appetit - Le poids poli, 2003.
A sua obra gira em torno dos modos de ver e percepcionar os espaços, onde o observador, chamado a participar, reconstrói ou completa permanentemente a obra.

Apoio: Galeria Quadrado Azul