Cintura

José Pedro Cortes

Mais Informações


 

 

“O futuro pertence àqueles que entendem que fazer mais com menos é compassivo, próspero e duradouro e, portanto, mais inteligente e até competitivo.”

Paul Hawken, ambientalista e empresário serial

Cintura explora as vastas estruturas da VCI, um intrincado mapa de autoestradas e anéis circulares que ligam as pontes do centro do Porto à periferia da cidade ao longo do rio Douro. Com origem na década de 1960 e ampliada em 1989, a VCI é descrita como sendo as artérias de entrada e saída da cidade e teve um papel vital na formação e desenvolvimento do Porto. Coincidindo com este crescimento, Cortes cresceu acompanhando o desenvolvimento da VCI e, através da sua lente, desenhou um retrato íntimo do seu sistema pulsante.

Como em todo o trabalho de Cortes, estas fotos evocam momentos íntimos, misteriosos e pessoais, quase como se a VCI, por si só, fosse um personagem. Com tanto movimento e pessoas passam por este sistema diariamente, é difícil imaginar que um dia desacelere. É como se Cortes nos lembrasse que a humanidade pode estar na mesma trajetória - uma metáfora sobre a cultura contemporânea, ou talvez a falta dela. Talvez ele queira apenas apontar os meros atos transgressivos que ocorreram nestas estradas. Em contraste com a natureza, a VCI é construída pelo homem e atende às necessidades do capitalismo em termos de comércio e serviços. Ainda assim, a ironia é que devemos entrar nos nossos carros e usar estas estradas para chegar até à natureza ou como Ralph Waldo Emerson escreveu: Adote o ritmo da natureza - o segredo dela é a paciência; na verdade, é algo que todos devemos adotar para poder entrar e sair da VCI.

Related Events

22
Set
19:30

Agenda

Set

22
  • Exposições
  • Homepage
  • Residências