Docentes Convidados

  • Mestrado em Som e Imagem
    Diogo Costa Amarante

    (Oliveira de Azeméis, 1982)

    Diogo Costa Amarante formou-se em Direito antes de fazer a sua estreia com o documentário Jumate, exibido em inúmeros festivais internacionais e ganhou vários prémios. Em 2009, participou no Talent Campus da Berlinale. O seu filme As Rosas Brancas foi exibido no programa Berlinale Shorts em 2014. Graduado em cinema na Tisch School of the Arts em Nova York. Ganhou o Urso de Ouro de melhor curta-metragem com Cidade Pequena, na Berlinale 2017.

  • Mestrado Fotografia
    André Cepeda

    (Coimbra, 1976)

    Atualmente vive e trabalha no Porto, Portugal. Em 2012, foi artista em residência na FAAP, São Paulo, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Cepeda foi selecionado para o Paul Huf Award, Foam Fotografiemuseum, Amsterdão (2011); Prémio BESPhoto, Lisboa (2010); e o Prémio Fundação de Novos Artistas da Fundação EDP, Lisboa (2007). Vem mostrando o seu trabalho regularmente, em Portugal e no exterior, desde 1999. Desde então, realizou várias residências de artistas e trabalhos comissariados, destacando-se a Trienal de Arquitetura de Lisboa 2010, a Fundação EDP (2014) e a Fundação de Serralves (2014). Em 2016, foi artista em residência na Residency Unlimited, em Brooklyn NY, no contexto da parceria Atelier-Museu Júlio Pomar / EGEAC e Residency Unlimited, NY. As suas obras estão representadas em importantes coleções nacionais e estrangeiras.

  • Mestrado Fotografia
    António Júlio Duarte

    (Lisboa, 1965)

    Estudou fotografia na AR.CO, em Lisboa e no Royal College of Art, em Londres. É autor de várias publicações: East West (1995), Peepshow (1999), Lotus (2001), Agosto (2003), White Noise e The Candidate (2011), Desvio do Sol (2013) e Japan Drug (2014). Desde 1990, expõe regularmente o seu trabalho, em Portugal e no estrangeiro. Podem destacar-se as exposições individuais recentes como White Noise no Quartel, Abrantes, 2017; Suspensão da Descrença, CAV, Coimbra, 2016; Mercúrio, na Galeria Zé dos Bois, Lisboa, em 2015; e Japão 1997, no Centro Cultural Vila Flor, Guimarães, em 2013.

  • Mestrado Fotografia
    David Campany

    (Essex, 1967)

    Escritor, curador e artista, que trabalha principalmente com fotografia. David Campany tem um doutoramento e ensina na Universidade de Westminster, Londres. Recebeu o ICP Infinity Award, o Kraszna-Krausz Book Award, o Alice Award, um Deutscher Fotobuchpreis e o prémio da Royal Photographic Society. Campany comissariou inúmeros projetos, destacando-se The Still Point of the Turning World: entre filmes e fotografia, FoMu Antwerp, 2017; Open Road: fotografia e viagem americana (vários locais, EUA, 2016-); A Handful Dust (Le Bal, Paris, 2015, Pratt Institute New York, 2016, a Whitechapel Gallery London, 2017, The California Museum of Photography, 2018 e Moderna Museet, Estocolmo, 2018); Walker Evans: o trabalho da revista (vários locais - França, Polônia, Bélgica, Itália, Austrália e Nova Zelândia), Lewis Baltz: Objetos Comuns (Le Bal, Paris 2014); Victor Burgin: A Sense of Place (AmbikaP3 Londres, 2013); Anonymes: Unnamed America in Photography and Film (Le Bal Paris, 2010). David Campany é autor de mais de duzentos ensaios para museus e livros monográficos, e contribui para a revista Frieze, Aperture, Source e Tate. Bibliografia Selecionada: A Handful of Dust (2015), The Open Road: fotografia e viagem americana (2014), Walker Evans: o trabalho da revista (2014), Gasoline (2013), Jeff Wall: Picture for Women (2010), Fotografia e Cinema (2008) e Arte e Fotografia (2003).

  • Mestrado Fotografia
    Emília Tavares

    (Lisboa, 1964)

    Conservadora e curadora para a área da Fotografia e Novos Media, no Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado, Lisboa. Mestre em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigadora de História da Fotografia, tendo publicado a obra João Martins – Imagens de um tempo descritivo desolador, Mimesis, Porto, 2001. Tem diversos ensaios e obras publicadas sobre história da fotografia portuguesa. Desenvolve uma atividade regular na área da crítica, bem como na realização de seminários e conferências, em diversas instituições. Investigadora portuguesa convidada do projeto FOTOFO - The History of 20th Century European Photography, com o apoio da FCG. Comissariou diversas

  • Mestrado Fotografia
    João Paula Serafim

    (Paris, 1974)

    É formado em Fotografia e Artes Plásticas pelo Ar.Co, escola onde leciona no Departamento de Fotografia desde 1998. Em 2005, participou no Curso de Fotografia do programa Gulbenkian Criatividade e Criação Artística e, em 2008, frequentou o curso de História de Arte da Universidade Nova de Lisboa. Em 2005, foi vencedor do 3º Prémio Purificacíon García. Desenvolve, desde 2005, o projeto MIIAC – Museu Improvável Imagem e Arte Contemporânea, museu ficcionado baseado numa pesquisa iconográfica de um acervo pessoal, construído ao longo do percurso do artista. Tem colaborado, desde 2004, em vários projetos teatrais e coreográficos.

  • Mestrado Fotografia
    José Pedro Cortes

    (Porto, 1976)

    Estudou em Inglaterra, no Kent Institute of Art & Design (Master of Arts in Photography). Em 2005, após três anos a viver em Londres, regressou a Lisboa para fazer o Programa Gulbenkian de Criatividade e Criação Artística (Fotografia). Das suas exposições individuais podem destacar-se: Museu da Imagem (Braga, 2006), Módulo – Centro Difusor de Arte (Lisboa, 2008, 2010); White Space Gallery (Londres, 2006); CAV - Centro de Artes Visuais (Coimbra, 2013); o projeto Costa apresentado no CGAC - Centro Galego de Arte Contemporánea (Santiago de Compostela, 2015); One’s Own Arena no Museu da Electricidade, Fundação EDP (Lisboa, 2015), e foi um dos artistas do programa curatorial da Bienal de Fotografia de Vila Franca de Xira, com a instalação Concreto Armado (VFX, 2016). Mais recentemente, Cortes foi convidado para projetos que incluem: EPEA - European Photo Exhibition Award; European Eyes on Japan e O Processo SAAL: Arquitectura e Participação, 1974-1976, com exposição no Museu de Serralves, Porto e no Canadian Centre for Architecture, Toronto. Em 2013, participou no MNAA Olhares Contemporâneos – Residência Fundação EDP.

  • Mestrado Fotografia
    Paulo Catrica

    (Lisboa, Portugal, 1965)

    Estudou fotografia no Ar.Co., em Lisboa (1984/85); Licenciatura em História, Universidade Lusíada, Lisboa (1992); Mestrado em Imagem e Comunicação, Goldsmith’s College, Londres (1997). Doutoramento em Estudos de Fotografia, pela Universidade de Westminster, Londres (2011). Bolseiro do Centro Português de Fotografia (2000); da Fundação Calouste Gulbenkian de Londres (2001) e da Fundação da Ciência e Tecnologia (2006/10 e 2014/17). Sob a forma de encomenda artística realizou projetos a convite da Siemens Uk (1997) do Centro Português de Fotografia (1998), do Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa (1999). Expõe e publica regularmente desde 1997. Nas exposições recentes (selecção), Galeria Presença, Porto (2014), Centro de Arte Moderna, FCG, Lisboa (2013), Fruitmarket, Edimburgo (2012) Bluecoat, Liverpool (2012). Entre as publicações referência para as monografias Memorator (2015), T N S C (2011), Liceus (2005), You are Here (2003) e Periferias (1998). Nomeado para o prémio BES Photo 2005, Centro Cultural de Belém em Janeiro/Março de 2006. Tem obras em diversas coleções de arte privadas em Portugal e no estrangeiro.

  • Mestrado Fotografia
    Rui Xavier

    (Porto. 1974)

    Rui Xavier completou o seu bacharelato em Tecnologias da Comunicação Audiovisual no Instituto Politécnico do Porto em 1995, começando a interessar-se pela fotografia e pelo cinema. Continuou os seus estudos no Reino Unido concluindo, em 1997, uma Pós-Graduação em Fotojornalismo, em Cardiff, na Universidade do País de Gales. Trabalhou em Londres como fotógrafo do diário “The Independent”. Em 1998, voltou a Portugal para trabalhar como freelancer criando com outros fotógrafos o coletivo Kameraphoto. Começou a fazer algumas experiências com vídeo na área documental, fundando com Bruno Gonçalves a Ricochete Filmes. De 2003 a 2005, foi editor de fotografia da revista Grande Reportagem. Desde 2006, tem experimentado as várias áreas da produção cinematográfica, sobretudo como diretor de fotografia.

  • Mestrado Fotografia
    Sergio Mah

    (Lisboa, Portugal)

    Professor e curador que vive e trabalha em Lisboa. Iniciou seus estudos académicos em sociologia e depois especializou-se em teoria da arte e da comunicação. Ensina na Faculdade de Ciências Humanas e Sociais e na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Seus escritos e projetos curatoriais concentram-se principalmente em práticas de imagem, como fotografia e vídeo. Nos últimos anos, organizou várias exposições individuais e coletivas, que incluíram artistas como Joel Sternfeld, Jeff Wall, Eugene Smith, Hiroshi Sugimoto, Signatário Romano, Larry Sultan, Thomas Demand, Walid Raad, Michael Snow, Aaron Siskind, Eli Lotar. De 2003 a 2005 foi diretor artístico da Bienal LisboaPhoto e, desde 2008 até 2010, foi diretor artístico da PhotoEspaña. Em 2011, foi o Comissário da Representação Oficial Portuguesa à 54ª Bienal de Veneza.

  • Mestrado Fotografia
    Tatiana Macedo

    (Lisboa, 1981)

    Nascida em Portugal, de ascendência angolana, Tatiana Macedo cresceu e estudou em Lisboa e em Londres. A sua obra desenvolve-se transdisciplinarmente entre a instalação, a fotografia, o cinema, o som e as suas formas expandidas. O seu primeiro filme Seems so long ago, Nancy foi inteiramente rodado na Tate Modern e Tate Britain, e, em 2015, foi a primeira vencedora do Prémio Sonae Media Art. Durante o ano de 2016, foi artista residente na Künstlerhaus Bethanien em Berlim com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian. O seu trabalho é exploratório e de grande rigor técnico, crítico e conceptual. Expõe internacionalmente e trabalha entre Lisboa e Berlim.

  • Pós-Graduação em Arte Cinemática
    Ana Vaz

    (Brasília, 1986)

    Ana Vaz é uma artista e cineasta cujos filmes, instalações e performances constroem relações entre ambientes, territórios e histórias híbridas, ampliando as fronteiras de nossa percepção. A partir da colagem de materiais encontrados ou filmados, os seus filmes combinam etnografia e especulação em explorar as fricções e ficções impressas em ambos os ambientes cultivados e selvagens e os seus múltiplos habitantes.

    Os seus filmes foram exibidos internacionalmente em festivais de cinema e instituições como a Tate Modern, o Palais de Tokyo, o New York Film Festival, o TIFF Wavelengths, o Rotterdam Film Festival, o BFI, o CPH:DOX, o Cinéma du Réel, o TABAKALERA, o Courtisane, o Videobrasi, entre outros. Focos específicos no seu trabalho foram desenvolvidos em seminários e instituições como o Flaherty Seminar (EUA), Doc's Kingdom (Portugal), Lux Salon (Reino Unido), Short Circuit Film Festival (Espanha) e Massart Film Society (EUA). O seu trabalho também foi apresentado em exposições individuais e coletivas, como a Moscow Biennial of Young Art (Rússia), Dhaka Art Summit (Bangladesh), Khiasma (França), Rosa Brux (Bélgica) and Temporary Gallery (Alemanha).

    Ana é também membro fundadora do coletivo COYOTE, juntamente com Tristan Bera, Nuno da Luz, Elida Hoëg e Clémence Seurat, um grupo interdisciplinar que trabalha nos campos da ecologia, etnologia e ciência política através de uma série de plataformas transversais.

  • Pós-Graduação em Arte Cinemática
    Cristina Grande

    (Porto, 1962)

    Cristina Grande é licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Coordenadora do Serviço de Artes Performativas da Fundação de Serralves desde 1990, com a responsabilidade executiva e de produção de atividades culturais paralelas às exposições e de programas nas áreas da Música Experimental, do Cinema, do Jazz, da Performance e da Dança Contemporânea, partilhada com o seu colaborador Pedro Rocha. É responsável pela programação de Dança Contemporânea e Performance do Auditório do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, desde 2000. Neste âmbito, destaca a organização da residência artística Mugatxoan, realizada desde 2002 em parceria com a instituição Arteleku, dirigida por Ion Munduate e Blanca Calvo, e a programação do Festival Trama com um coletivo de programadores: Pedro Rocha (Fundação de Serralves), Rita Castro Neves (festival Brrr_Live Art), e Paulo Vinhas (Matéria Prima). Integrou o observatório crítico do projeto de apoio à criação artística “Jovens Artistas Jovens”, para a seleção dos projetos performativos, finalizado em Outubro de 2006. Integra desde Maio de 2010 o comité de peritos dos Fundos Roberto Cimetta para as áreas da Dança e Performance.

  • Pós-Graduação em Arte Cinemática
    Filipa César

    (Porto, 1975)

    Filipa César é uma artista e realizadora residente em Berlim. Estudou na Universidade do Porto e de Lisboa, na Academy of Arts em Munique e na University of Arts em Berlim. Interessa-se pelos aspetos ficcionais do documentário, pelas fronteiras ténues entre o cinema e a sua receção, e pela política e poética inerentes à imagem em movimento. O seu trabalho inclui instalações artísticas como “F for Fake” (2005), “Rapport” (2007), “Le Passeur” (2008), “The Four Chambered Heart” (2009) ou “Menograma” (2010), exibidas um pouco por todo o mundo. A sua filmografia inclui filmes como “Mined Soil” (2015), “Spell Reel” (2017) ou “Sunstone” (2017), exibidos em festivais de cinema nacionais e internacionais.

  • Pós-Graduação em Arte Cinemática
    Guilherme Blanc

    Licenciado em Direito pela Universidade do Porto e Mestre (MA) em Cultural Policy and Management pela City University London. Entre 2010 e 2014 lecionou em diferentes cursos de licenciatura e de ensino pós-graduado no âmbito da Política e Gestão Cultural e trabalhou como curador independente em inúmeros projetos, tendo colaborado com instituições como o Institute for Contemporary Arts (ICA), o Institut français, a Whitechapel Gallery e o Barbican Center, na exibição de cinema e filmes de artistas portugueses. Em 2012 integrou a equipa de “Fundraising” do Barbican Center e no ano seguinte foi convidado para a posição de Adjunto do Vereador Paulo Cunha e Silva na Câmara Municipal do Porto. Atualmente é Adjunto do Presidente da Câmara Municipal do Porto para a área da Cultura.

  • Pós-Graduação em Arte Cinemática
    Isabel Capeloa Gil

    (Coimbra, 1965)

    Professora Catedrática de Estudos de Cultura e Reitora da Universidade Católica Portuguesa (UCP). É Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (1987), Mestre em Estudos Alemães, pela mesma Faculdade (1992) e Doutora em Língua e Cultura Alemãs pela Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa (2001). Foi Professora Convidada na Alemanha (Saarbruecken, Munique), Reino Unido, na Irlanda (National University of Ireland), em Itália (Univ. Ca Foscari, Veneza), no Brasil (PUC-Rio) e nos EUA (U. Pennsilvânia e U. Stanford). É ainda Honorary Fellow da School of Advanced Study da Universidade de Londres. Entre 2005 e 2012 foi diretora da Faculdade de Ciências Humanas da UCP. Foi fundadora da rede The Lisbon Consortium e é diretora do Programa Internacional de Doutoramento em Estudos de Cultura. É investigadora principal e fundadora do Centro de Estudos de Comunicação e Cultura.

  • Pós-Graduação em Arte Cinemática
    João Ribas

    (Braga, 1979)

    João Ribas é crítico e curador de arte. Estudou Estudos Culturais e Filosofia na New School for Social Research (Nova Iorque). Começou por estagiar no MoMA PS1, centro de arte experimental contemporânea integrado no museu de arte moderna de Nova Iorque, e depois tornou-se curador do Drawing Centre (2007-2009). A partir de 2009, transferiu-se para o MIT List Visual Arts Centre, em Massachussets, onde permaneceu até 2014. Em 2014 regressou a Portugal para assumir funções de diretor-adjunto do Museu de Serralves, instituição na qual, desde início de 2018, exerce funções de Diretor.

  • Pós-Graduação em Arte Cinemática
    João Salaviza

    (Lisboa, 1984)

    João Salaviza estudou cinema na Escola Superior de Teatro e Cinema em Lisboa e concluiu os seus estudos na Universidad del Cine em Buenos Aires. É autor de filmes como “Duas Pessoas” (2005), “Arena” (2009), “Hotel Müller” (2010), “Cerro Negro” (2012), “Rafa” (2012), “Montanha” (2015), “Altas Cidades de Ossadas” (2017), “Russa” (2018) e “Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos” (2018). Exibidos um pouco por todo o mundo, os seus filmes já valeram ao realizador a atribuição de importantes prémios internacionais, como a Palma de Ouro de Cannes (2009) e o Urso de Berlim na Berlinale (2012) para melhores curtas-metragens.

  • Pós-Graduação em Arte Cinemática
    Nuno da Luz

    (Lisboa, 1984)

    Nuno da Luz vive e trabalha em Lisboa. Artista e publicador, o seu trabalho circunscreve tanto o auditivo como o visual na forma de eventos sonoros, instalações e material impresso; estes últimos na sua maioria distribuídos pela publicadora atlas Projectos (em conjunto com André Romão e Gonçalo Sena) e pela editora discográfica Palmario Recordings (em conjunto com Joana Escoval). Recentemente terminou o programa de mestrado Experimentação em Arte e Política speap em Sciences Po, Paris e fundou o coletivo pluridisciplinar Coyote, que investiga novas formas de comum-ificação (criar comunidade) via publicações, filmes, conferências e outros formatos experimentais (em conjunto com os artistas Tristan Bera e Ana Vaz, a jornalista Elida Høeg e a editora Clémence Seurat). Projetos mais recentes incluem as performances ao vivo “com Ressonância Assistida” em Ficarra (Itália), Paris, Nova Iorque, Porto e Berlim; assim como a sua exposição individual environments na Solar – Galeria de Arte Cinemática, em Vila do Conde. Outras exposições individuais incluem RWSNK ECHOS, Kunstraum Botschaft, (Berlim, 2017), Sud e Magia, Syntax (Lisboa, 2016), Wilderness, Galeria Vera Cortês (Lisboa, 2015), laissez vibrer, enblanco projektraum (Berlim, 2013) e cave/Solar (Vila do Conde, 2013), e “O nosso silêncio é um aviso, o nosso silêncio é sólido”, Vera Cortês Art Agency (Lisboa, 2012). Exposições coletivas mais recentes incluem, entre outras, “cidra da luz escoval manso mendes romão sena”, AR Sólido (Lisboa, 2015), “Ficarra_Contemporary Divan”, Palazzo Milio (Ficarra, 2015), “A polyphonic wave of of concrete materials flowing through the air”, Espaço Artes (Porto, 2014), e “12 Contemporaries: Present States”, Museu de Serralves (Porto, 2014). Tem participado em diversos programas de residência, nomeadamente, Cité internationale des arts (2015), Residency Unlimited (2014), e Sound Art Braunschweig Projects (2013).

  • Pós-Graduação em Arte Cinemática
    Sabeth Buchmann

    (Viena, 1962)

    Sabeth Buchmann é historiadora e crítica de arte, dividindo o seu tempo entre Berlim e Viena. É Professora de Arte Moderna e Pós-moderna na Academia de Belas Artes de Viena. Juntamente com Helmut Draxler, Clemens Krümmel e Susanne Leeb, co-edita “PoLYpeN”, uma coleção sobre crítica de arte e teoria política, publicada pela b_books (Berlim). Tem também várias publicações sobre temas relacionados com a arte: “Art After Conceptual Art” (2006), “Produktion – Technologie – Subjektivität bei Sol LeWitt, Yvonne Rainer und Hélio Oiticica” (2007), “Film, Avantgarde und Biopolitik” (2009) e “Hélio Oiticica, Neville D’Almeida and others: Block-Experiements in Cosmococa” (2013).

  • Pós-Graduação em Arte Cinemática
    Salomé Lamas

    (Lisboa, 1987)

    Salomé Lamas estudou Cinema em Lisboa e em Praga, Artes Visuais em Amsterdão e atualmente é doutoranda em Estudos Artísticos pela Universidade de Coimbra. Trabalhando nas fronteiras entre a ficção e o documentário, bem como entre a sala de cinema e a galeria de arte, é autora de obras como “VHS: Video Home System” (2010-2012), “Golden Dawn (2011), “Encounters with landscape 3x” (2012), “A comunidade” (2012), “Terra de Ninguém” (2012), “Theatrum Orbis Terrarum” (2013), “A Torre” (2015), “Mount Ananea (5856’)” (2015), “El Dorado XXI” (2016), “Ubi Sunt” (2016), “Coup de Grâce” (2017) ou “Extinção” (2018).

  • Pós-Graduação em Arte Cinemática
    Teresa Cruz

    Professora Auxiliar no Departamento de Ciências da Comunicação da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. As suas áreas de investigação e docência debruçam-se sobre a Teoria e Estética dos Media, Artes Contemporâneas e Pós-media, Teoria da Imagem e Imagens Contemporâneas, Novos Media e Indústrias Culturais, e Comunicação do Património. Tem diversas publicações e participações em eventos e projetos científicos. Atualmente, é investigadora em Comunicação, Informação e Cultura (CIC.Digital – FCSH) e membro do Grupo de Trabalho para a Agenda de Cultura e Património (FCT).

  • Pós-Graduação em Mercados e Coleções de Arte
    Filipe Duarte

    (Porto, 1978)

    M.A. Conservation of Fine Art pela Northumbria University (Reino Unido), é gestor da Coleção de Arte da Fundação de Serralves desde janeiro de 2016. Foi bolseiro da Getty Foundation (Estados Unidos) e, ao longo da sua carreira profissional como conservador dedicado à preservação de arte contemporânea, nas suas diversas valências, trabalhou e colaborou com inúmeras instituições nacionais e internacionais, entre as quais se destacam a Tate Gallery (Londres), SRAL - Limburg Conservation Institute (Maastricht), Museu d’Art Contemporani de Barcelona, Culturgest, Museu da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Fundação EDP e Fundação Calouste Gulbenkian.

  • Pós-Graduação em Mercados e Coleções de Arte
    Luís Filipe Cardoso

    (Lisboa, 1971)

    Diplomado com o Curso de Fotografia do AR.CO, em Lisboa. Licenciado em Conservação e Restauro pelo Instituto Politécnico de Toma,r com especialização em fotografia de registo de obras de arte e espectros invisíveis no Centre de Recherche et Restauration des Musées de France – Museu do Louvre. Professor convidado e coordenador da área científica de fotografia da Escola Superior de Media Artes e Design, do Instituto Politécnico do Porto. Fundador e sócio gerente da GAMUT, empresa especializada em serviços digitais de fotografia e gestão de cor – captura, edição e impressão “fine art”. Enquanto autor participou em exposições coletivas e individuais e está representado em coleções privadas e institucionais. Tem trabalho publicado em Portugal, França, Reino Unido e Japão.

  • Pós-Graduação em Mercados e Coleções de Arte
    Maria do Carmo Pessanha Moreira

    (Porto, 1969)

    Mais de 20 anos de experiência em projetos de vulto na área de Marketing & Comunicação, no sector cultural e empresarial, em paralelo com projetos de consultadoria nessa mesma área. Lecionou Marketing & Comunicação e Marketing Cultural em diversas no ensino superior, nomeadamente na Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa. Foi diretora de Marketing e Comunicação da Fundação de Serralves, tendo mais tarde criado o seu projeto de consultadoria de Marketing Cultural – Must Art Services. Viveu em São Paulo entre 2013 e 2017, onde fundou a ARTEXP que atualmente tem atividade em Portugal. Licenciada em Administração de Empresas pela Universidade Católica Portuguesa com frequência de MBA na mesma Universidade.

  • Pós-Graduação em Mercados e Coleções de Arte
    Maura Marvão

    (Porto, 1971)

    Licenciada em Direito pela Universidade Católica Portuguesa e tem o Mestrado em Arts Administration pela New York University. Trabalhou nas Nações Unidas e no New Museum of Contemporary Art em Nova Iorque. Em Portugal integrou diversos projetos ligados à cultura e lecionou a disciplina de marketing cultural em várias instituições, entre elas na Universidade Católica Portuguesa, Escola das Artes. É a representante em Portugal e Espanha da leiloeira Phillips. Foi presidente da ADIAC, Associação de Difusão Internacional de Arte Contemporânea, é membro do Conselho de Administração da Fundação da Juventude com o pelouro da cultura, é membro do Conselho de Administração da Associação Bagos D’Ouro, é presidente dos Amigos da Fundação Ricardo Espírito Santo Silva e fundadora e presidente do núcleo português do National Museum for Women in the Arts de Washington.

  • Pós-Graduação em Mercados e Coleções de Arte
    Miguel Cabral Moncada

    (Lisboa, 1962)

    Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, tendo exercido advocacia entre 1986 e 1988. No mundo da arte começou por ser antiquário (1984-1995), fundando em 1996 a Cabral Moncada Leilões e dirigindo-a desde então. Perito de obras de arte, tem lecionado diversas disciplinas em variadas instituições do ensino superior, tais como Mobiliário Lusíada, Mercados de Arte e Peritagem e Avaliação de Obras de Arte. Autor de diversos livros, artigos, comunicações e «entradas» de bens em catálogos de exposições, tem em fase final de preparação a tese de doutoramento pelo Departamento de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (2011-2018) - Mobiliário Lusíada.

  • Pós-Graduação em Mercados e Coleções de Arte
    Miguel Rangel

    (Porto, 1976)

    É licenciado em Gestão pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto; ingressou na Sonae em 1998 onde permaneceu durante 13 anos, tendo desempenhado diversas funções nas áreas de Comunicação de Marketing das marcas Modelo Bonjour, Worten, Vobis, Modelo, Continente e Sport Zone; entre outros cargos, foi diretor de Marketing dos Hipermercados Continente e diretor de Relações Institucionais, Marca e Comunicação da Sonae. Desempenhou também funções de Diretor de Marketing da marca Prio Energy e foi Diretor-geral da empresa Nutre Indústrias Alimentares. Atualmente desempenha as funções Diretor Comercial, Desenvolvimento e Comunicação da Fundação de Serralves.