Escola das Artes em direto #4 · Apropriação – Manipulação – Imprevisibilidade

 
 
Escola das Artes em direto #4 · Apropriação – Manipulação – Imprevisibilidade
19 MAR · 17H
 
Neste 4º direto da Escola das Artes, Diogo Tudela e José Alberto Gomes trazem-nos uma performance sonora, partindo das ideias de apropriação, manipulação e imprevisibilidade
 
 
A primeira grande revolução que a tecnologia trouxe ao mundo sonoro foi a gravação e a inerente reprodução. A capacidade de registo torna o objeto sonoro eterno e isso muda toda a relação com o universo sónico. Nos anos 50, Pierre Schaeffer e o movimento da música concreta contribuem fortemente para a materialização da tecnologia num conceito artístico, em que nos apropriamos do material sonoro que nos envolve num objeto estético através da descontextualização, reprodução artificial e manipulação. Passados 70 anos a abordagem de Pierre Schaeffer continua a ser muito interessante, esvaziada no conceito do concreto, mas com todas as outras valências fortalecidas. O acesso ao material é permanente e imediato e a capacidade de manipulação está democratizada e implica quase uma ausência de esforço. Creio que isto está altamente ligado à cultura do sampling, da repetição e acima de tudo da apropriação. Onde está o limite. Onde é uma citação, onde é plagio, ... 
 
Para o contexto de hoje a segunda grande revolução na música foi-nos trazida por John Cage num campo menos tecnológico e muito mais conceptual. Uma valorização da forma sobre o conteúdo que traz para a sintaxe dos elementos musicais a singularidade do momento e a elevação do indeterminismo. A mudança de paradigma no universo musical foi de tal dimensão que deu origem a toda uma nova disciplina artística sonora extra musical. A Sound Art.
 
Esta pequena performance pretende inspirar-se nestes conceitos. Tudo partirá de uma gravação de campo feita no Porto em 2009. Não sabemos o conteúdo dessa gravação. Durante essa transmissão vamos manipular, construir e desconstruir até transformar a matéria em algo novo e, esperemos, material original, autoral e de valor estético. 
Diogo Tudela e José Alberto Gomes
 
Palavras Chave:
Música Concreta; Manipulação Sonora; Sampling; Apropriação; Indeterminismo na Música; Tecnologia & Música; Sound Art; Música; John Cage
 

 

Referências