“The Mysteries of Photography", conferência com David Bate e participação de João Paulo Serafim

19.04.2018 17:00

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

19.04.2018 17:00 “The Mysteries of Photography", conferência com David Bate e participação de João Paulo Serafim Link: http://artes.porto.ucp.pt/pt/central-eventos/mysteries-photography-conferencia-com-david-bate-e-participacao-joao-paulo-serafim

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto

 

David Bate
Artista visual, escritor e Professor na Universidade de Westminster (Londres)
 

Título
“The Mysteries of Photography” (com a participação de João Paulo Serafim)
 

Resumo

É curioso que a ficção policial tenha sido inventada e desenvolvida ao mesmo tempo que a fotografia. A fotografia como “cena de um crime” repete-se na história como se o espectador fosse um detetive. Situações quotidianas são usadas para suscitar algum tipo de estranheza. O crescimento recente da fotografia “ficcional”, as novas performances (gestos, poses e papéis) adotados por pessoas em fotografias, vídeos, memes e gifs na Internet, paralelamente com o entusiasmo renovado por questionáveis fotografias de arquivo, significam uma revisão da imagem fotográfica. As novas definições da “pós-verdade” e das fake news são sintomas deste novo panorama. Se pensarmos que a fotografia é agora parte deste ambiente mais amplo de desconfiança digital - que habita muitas e novas práticas sociais -, então podemos começar a indagar onde, como e porquê a fotografia se encontra num verdadeiro processo de transformação.

 

Biografia

David Bate é um artista visual e escritor (Londres, UK) e professor de Fotografia na Universidade de Westminster (Londres). Conhecido internacionalmente pelo seu trabalho em e sobre fotografia, arte e cultura vanguardista, foi um dos primeiros artistas fotográficos britânicos a experimental processos de fotografia digital nos anos 90 e criou a série “European Letters” em 1992. Foi comissariado para um trabalho de sequela – “Strangers” – pela Camerawork Gallery, em 1995. O trabalho utilizou as novas técnicas digitais para suscitar uma estranheza no novo realismo digital e abordar relações dentro da “nova Europa” depois do colapso da União Soviética. O seu trabalho visual interessa-se pela estética vanguardista e surrealista: “Zero Culture” (2000) foi uma meditação sobre a cultura na viragem milenar, um trabalho experimental de foto-narração, enquanto a série “Zone”, fotografada na Estónia, na Europa de Leste, desenvolve a alteridade assombradora do filme Stalker de Tarkovski. Este trabalho viajou por todo o mundo e foi publicado pela Artwords Press (Londres) em 2012. O seu trabalho “Bungled Memories”, de 2008, é composto por uma série de interessantes naturezas mortas sobre acidentes domésticos que ocorreram na sua cozinha, como acidentes inconscientes. Foi também convidado como Artista Residente em Melbourne (Austrália, 2008) onde fotografou “Australian Picnic”. Entre diversos trabalhos escritos publicados, encontram-se os livros Photography and Surrealism e Photography: key concepts.

 

João Paulo Serafim
Fotógrafo e Docente na Ar.Co

Biografia
João Paulo Serafim (Paris, 1974) é formado em Fotografia e Artes Plásticas pela Ar.Co, onde leciona no Departamento de Fotografia desde 1998. Em 2005 participou no Curso de Fotografia do programa Gulbenkian Criatividade e Criação Artística, tendo frequentado em 2008 o curso de História de Arte da Universidade Nova de Lisboa. Em 2005 venceu o 3º prémio Purificación García. Desenvolve desde 2005 o projeto MIIAC – Museu Improvável de Imagem e Arte Contemporânea, museu ficcionado baseado numa pesquisa iconográfica de um acervo pessoal, construído ao longo do percurso do artista. O MIIAC, composto por fotografias de diversas tipologias e origens, bem como por uma extensa bibliografia, materializa-se virtualmente ou através de exposições em diferentes espaços, combinando memórias pessoais e coletivas. Esta pesquisa estende-se ainda aos funcionamentos museológicos, incidindo sobre as zonas de bastidores como arquivos e bibliotecas, refletindo acerca dos modos de organização, processamento e qualificação de informação visual. Tem colaborado desde 2004 em vários projetos teatrais e coreográficos.

Auditório Ilidio Pinho
Entrada livre

 

Esta Masterclass está integrada no Seminário Cinema/Arte a decorrer na Escola das Artes até final de maio. Próximas datas:
26/abr #8 – Pablo Díaz
03/mai #9 – Joaquim Sapinho
17/mai #10 – Francisco Garcia Garcia
24/mai #11 – Tiago Baptista