Inauguração da exposição fotográfica “A Invenção da Memória”, de João Paulo Serafim

19.04.2018 18:00 — 01.01.1970 02:00

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

19.04.2018 18:00 01.01.1970 02:00 Inauguração da exposição fotográfica “A Invenção da Memória”, de João Paulo Serafim Link: http://artes.porto.ucp.pt/pt/central-eventos/inauguracao-exposicao-fotografica-invencao-memoria-joao-paulo-serafim

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto

João Paulo Serafim
Fotógrafo e Docente na Ar.Co

Em a “A Invenção da Memória”, João Paulo Serafim procede a um levantamento de espaços ligados à cultura e que representam, na perspetiva do artista, “depósitos de memória”, tais como: acervos, arquivos, armazéns, teatros, cinemas, sótãos, bibliotecas, casas, espaços abandonados. Esta pesquisa estende-se ainda aos funcionamentos museológicos, incidindo sobre as zonas de bastidores como arquivos e bibliotecas, refletindo acerca dos modos de organização, processamento e qualificação de informação visual.
 

Biografia
João Paulo Serafim (Paris, 1974) é formado em Fotografia e Artes Plásticas pela Ar.Co, onde leciona no Departamento de Fotografia desde 1998. Em 2005 participou no Curso de Fotografia do programa Gulbenkian Criatividade e Criação Artística, tendo frequentado em 2008 o curso de História de Arte da Universidade Nova de Lisboa. Em 2005 venceu o 3º prémio Purificación García. Desenvolve desde 2005 o projeto MIIAC – Museu Improvável de Imagem e Arte Contemporânea, museu ficcionado baseado numa pesquisa iconográfica de um acervo pessoal, construído ao longo do percurso do artista. O MIIAC, composto por fotografias de diversas tipologias e origens, bem como por uma extensa bibliografia, materializa-se virtualmente ou através de exposições em diferentes espaços, combinando memórias pessoais e coletivas. Esta pesquisa estende-se ainda aos funcionamentos museológicos, incidindo sobre as zonas de bastidores como arquivos e bibliotecas, refletindo acerca dos modos de organização, processamento e qualificação de informação visual. Tem colaborado desde 2004 em vários projetos teatrais e coreográficos.