Arte & Ciência | Erika Balsom · The Problem and Promise of Observation in Contemporary Art’s Documentary Turn (EVENTO ADIADO)

21.05.2020 18:30
Auditório Ilídio Pinho | Edifício das Artes / Arts Building

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

21.05.2020 18:30 Arte & Ciência | Erika Balsom · The Problem and Promise of Observation in Contemporary Art’s Documentary Turn (EVENTO ADIADO) Link: http:///pt/central-eventos/arte-ciencia-erika-balsom-problem-and-promise-observation-contemporary-arts

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto | Auditório Ilídio Pinho

 
Arte & Ciência | Erika Balsom · The Problem and Promise of Observation in Contemporary Art’s Documentary Turn
Auditório Ilídio Pinho
21 MAI · 18H30
ENTRADA LIVRE
 
 
Pelo menos desde a Documenta 11 dirigida por Okwui Enwezor, em 2002,  que as práticas documentais têm sido uma característica proeminente da arte contemporânea. Mas que ideia de documentário emergiu desse contexto? Muitos curadores propuseram que o melhor acesso à realidade se dá por meio de artifícios, lançando um anátema sobre o documentário observacional, visto como um objeto que ingenuamente se entrega à transparência ilusória e à cópia não criativa. Ao mesmo tempo, a observação emergiu notavelmente como uma estratégia fundamental no trabalho de muitos artistas contemporâneos de destaque.
 
Esta aula aberta explorará esse aparente paradoxo por meio de uma discussão do filme 15 Horas de Wang Bing (2017), que documenta quinze horas de uma jornada de trabalho numa fábrica têxtil chinesa. A instalação está na interseção entre os discursos do cinema digital e da viragem documental
na arte contemporânea, mas apresenta desafios significativos às principais suposições de ambos.
 
Contra a tendência de interpretar a imagem digital como marcada pela expressividade pictórica da composição, 15 Horas reafirma o primado da captura baseada em lentes e as possibilidades de gravação duracional exclusivas do vídeo digital. E, mais importante, posiciona-se contra o apego ao hibridismo e ficcionalização endémico às discussões sobre a viragem documental na arte contemporânea e oferece uma reabilitação do denegrido método de observação por trás da dúvida, reflexividade e hibridismo que marcaram as práticas documentais de muitos artistas recentes, para suscitar um cuidado com aquilo que é mais frágil e cruel: a realidade mundana.
 
 
 
---
 
 
ERIKA BALSOM
Erika Balsom é professora de estudos de cinema no King's College London. É autora de After Uniqueness: A History of Film and Video Art in Circulation (2017) e Exhibit Cinema in Contemporary Art (2013) e co-editora de Artists "Moving Image in Britain" since 1989 (2019) e "Documentary Across Disciplines" (2016). Publicou em revistas científicas como Gray Room e Cinema Journal e é colaboradora frequente de revistas como Artforum, frieze e Sight & Sound. Em 2018, recebeu o Prémio Leverhulme e o prémio de ensaio Katherine Singer Kovacs da Society for Cinema and Media Studies.