Antestreia do filme "Vivi Nascosto" + Conversa com Paula Parente Pinto, Joaquim Moreno e Paulo Catrica

03.12.2019 18:30

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

03.12.2019 18:30 Antestreia do filme "Vivi Nascosto" + Conversa com Paula Parente Pinto, Joaquim Moreno e Paulo Catrica Link: http://artes.porto.ucp.pt/pt/central-eventos/antestreia-filme-vivi-nascosto-conversa-com-paula-parente-pinto-joaquim-moreno-e

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto
 
Guido Guidi, Porto, 14.10.2018, impressão analógica de negativo 6x6
 
3 DEZ · 18H30 · Auditório Ilídio Pinho
Antestreia do filme Vivi Nascosto de Paulo Catrica
conversa com Paula Parente Pinto, Joaquim Moreno e Paulo Catrica
 
Antestreia de uma versão parcial do filme Vivi Nascosto, uma biografia em filme de Guido Guidi, realizada por Paulo Catrica para a exposição Caçador de Sombras. A exibição do filme é seguida de uma conversa do realizador com o Guido Guidi e Paula Parente Pinto (curadora da exposição).
 
Sinopse
Conduzidos pela voz de Guido, o filme visita a sua casa de Ronta, o seu arquivo, os objetos materiais e a paisagem que estimula o universo visual das suas fotografias.
 
 
Guido Guidi (Cesena, 1941) estudou arquitetura no Instituto Universitário de Arquitetura de Veneza (1959-64) e frequentou o Curso Superior de Desenho Industrial (1967-68), atraído por dois cursos: o de fotografia lecionado pelo historiador Italo Zannier e o curso de artes gráficas lecionado por um ex-aluno da Bauhaus, Luigi Veronesi. Tem contribuído regularmente para projetos de documentação territorial em Itália, onde as missões fotográficas são já uma tradição.
Embora não seja um fotografo de “Arquitectura”, Guidi tem trabalhado sobre o Movimento Moderno através da obra de Carlo Scarpa, Ludwig Mies van der Rohe e Le Corbusier e demonstrou grande interesse em trabalhar sobre a obra de Álvaro Siza Vieira.
 Enquanto professor tem contribuído para o estudo e desenvolvimento da fotografia em Itália, leccionando na Academia de Belas Artes de Ravenna (desde 1989) e no Instituto Universitário de Arquitectura de Veneza (desde 2001).
Através da edição do seu trabalho em livro a singularidade da sua obra ganhou uma dimensão internacional considerável, e muitas das suas publicações ganharam em pouco tempo o estatuto de objetos raros e de culto. Em 2014 o seu livro Guido Guidi: Cinque Paesaggi 1983-1993 foi distinguido com o prémio Hemingway para o melhor foto-livro, uma edição de Antonello Frongia e Laura Moro (2013).
Guido Guidi expõe regularmente desde 1968,  e o seu trabalho está representado em inúmeros museus e instituições – selecção: Fondation Henri Cartier-Bresson (Paris), Guggenheim Museum (NY), Fotomuseum Winterthur (Winterthur), Whitney Museum (NY), Centre Pompidou (Paris), Venice Biennale (Veneza), Canadian Center for Architecture (Montreal), Pirelli Hangar Bicocca (Milão).
 
Paulo Catrica (Lisboa, 1965) fez Estudos de fotografia no Ar.Co. , Lisboa (1984/85); Licenciatura em História, Universidade Lusíada, Lisboa (1992); Mestrado em Imagem e Comunicação, Goldsmith’s College, Londres (1997). Doutoramento em Estudos de Fotografia, Universidade de Westminster, Londres (2011).
Expõe e publica regularmente desde 1997. Sob a forma de encomenda artística realizou projetos a convite da Siemens Uk (1997) do Centro Português de Fotografia (1998), do Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa (1999), do Instituto Histórico da Educação (1999), do Departamento Sociologia da Universidade Nova de Lisboa (2000/2004), da Porto 2001, Capital Europeia da Cultura (2000/02), da Companhia Nacional de Bailado (2001/02), da Universidade de Birmingham (2001/03), do Teatro Nacional de São Carlos (2005/08), da Trienal de Arquitectura de Lisboa (2007), da Photographers Gallery (2009), da Casa das Histórias Paula Rego (2009) e do Teatro Nacional Dona Maria II (2014).
Foi ainda co curador das exposições, Uma Cidade de Futebol, na Cordoaria Nacional (2004), com Luisa Costa Dias, e Missão Fotográfica Paisagem Transgénica, no Centro Cultural Vila Flôr, Guimarães (2012), com Pedro Bandeira.
Nomeado para o prémio BES Photo 2005, Centro Cultural de Belém, Janeiro 2006, o seu trabalho faz parte de coleções de arte privadas e institucionais, em Portugal, Inglaterra, Espanha, Finlândia, França, Alemanha, Brasil, Canada e USA.
 
 
Paula Parente Pinto (Porto, 1971) é licenciada em Artes Plásticas: Escultura, Faculdade de Belas Artes do Porto (1998); Mestrado (pré-Bolonha) em Arquitetura e Cultura Urbana, Universidade Politécnica da Catalunha, Barcelona, Espanha (2004); Doutoramento em Estudos Visuais e Culturais, Universidade de Rochester, NY, USA (2016). Tem trabalhado em Investigação histórica e como curadora independente em inúmeras exposições de onde se podem destacar: “Grupo Puzzle: Pintura colectiva = pintura individual” no Centro de Artes e Espetáculos (Figueira da Foz, 2011); “Ângelo de Sousa: Ainda as esculturas”  na Galeria do Teatro Municipal da Guarda (Guarda, 2012); “Guido Guidi/ Carlo Scarpa: Tomba Brion” no Centro Cultural de Belém (Lisboa, 2014-15); “Nunca fiz uma exposição de desenhos” com obra inédita de Albuquerque Mendes no Centro para os Assuntos da Arquitetura e das Artes (Guimarães, 2015-16); “Stefano Serafin: arte em estado de guerra”, uma exposição sobre os 100 anos da destruição dos museus durante a Primeira Guerra Mundial, patente até Junho de 2017 no Centro Internacional de Arte José de Guimarães (Guimarães).
 
Joaquim Moreno (Luanda, 1973) é licenciado em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (1998); Mestrado (pré-Bolonha) em Arquitectura e Cultura Urbana, Escola Técnica Superior de Arquitectura de Barcelona, Universidade Politécnica da Catalunha (2001); Doutoramento em Arquitectura, Escola de Arquitectura, Universidade de Princeton (2011).
Curador independente desde 2002, num trabalho continuado que inclui a exposição “Desenho Projecto de Desenho” (2002), em co-curadoria com Alberto Carneiro, dedicada ao desenho de arquitectura no século XX Português, a representação portuguesa à Bienal de Arquitectura de Veneza em 2008, com o filosofo José Gil, a exposição “Guido Guidi/ Carlo Scarpa: Tomba Brion” no Centro Cultural de Belém (Lisboa, 2014-15) com Paula Pinto e mais recente, e ainda visitável no Centro Canadiano de Arquitectura em Montreal, a exposição “The University is Now on Air”, dedicada ao ensino da Arquitectura Moderna através da Rádio e da Televisão que a Universidade Aberta Inglesa propunha nos anos 70.

 

 
Guido Guidi · Caçador de Sombras: Viagem aos limites do Porto
 
Organização 
 
Apoios
Câmara Municipal do Porto (Programa de Apoio à Criação Artística CRIATÓRIO)
 
 
EAUM
 
Agradecimentos
Paulo Catrica, Matilde Seabra, Álvaro Domingues, Alexandre Inglês, Pedro Bandeira, José Aurélio, Marta Guidi, Mariano Sartore, Victor Guedes, Carlos Lobo, The Worst Tour of Porto.