26 + 28 NOV | Robert Hasegawa na Escola das Artes

26.11.2018 17:10 — 28.11.2018 20:00
Campus Foz

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

26.11.2018 17:10 28.11.2018 20:00 26 + 28 NOV | Robert Hasegawa na Escola das Artes Link: http://artes.porto.ucp.pt/pt/central-eventos/26-28-nov-robert-hasegawa-na-escola-das-artes

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto | Campus Foz

O teórico musical e compositor Robert Hasegawa - docente da Escola de Música Schulich da Universidade McGill (Montreal) - estará na Escola das Artes para uma Talk no âmbito do CITAR e um Seminário à volta da sua investigação em música contemporânea.

Talk > "Composing with Constraints" 
26 NOV | 15:00h
Sala -118
 
Seminário > "Demystifying Contemporary Music" 
28 NOV | 18:30
Sala -118

Resumo da Talk
Os músicos há muito tempo que moldam sua actividade criativa dentro de restrições, sejam impostas externamente ou conscientemente escolhidas. Como observado por Leonard Meyer, qualquer estilo pode ser visto como um conjunto de restrições, exigindo que as características da obra de arte estejam de acordo com as normas aceitas. Tais restrições estilísticas recebidas podem ser complementadas por limitações adicionais e voluntárias: por exemplo, usando apenas uma paleta limitada de tons ou sons, estabelecendo regras para governar a repetição ou transformação, controlando o layout formal e as proporções do trabalho ou limitando a variedade de operações envolvido na sua criação. Esta palestra propõe uma classificação quádrupla dos limites mais frequentemente encontrados na criação musical em restrições materiais (absolutas e relativas), formais, estilo / género e processo. O papel das restrições como estímulo e guia para a criatividade musical é explorado nos domínios da composição, improvisação e performance, com exemplos retirados de compositores contemporâneos, incluindo György Ligeti, George Aperghis e James Tenney. Tais restrições musicais são comparáveis às limitações auto-impostas em outras formas de arte, do filme (o Manifesto Dogme 95) e da arte visual (Desenhos Cegos do Tempo de Robert Morris) aos escritos de autores associados ao Oulipo (Ouvroir de littérature potentielle) como Georges Perec e Raymond Queneau.

Musicians have long framed their creative activity within constraints, whether imposed externally or consciously chosen. As noted by Leonard Meyer, any style can be viewed as an ensemble of constraints, requiring the features of the artwork to conform with accepted norms. Such received stylistic constraints may be complemented by additional, voluntary limitations: for example, using only a limited palette of pitches or sounds, setting rules to govern repetition or transformation, controlling the formal layout and proportions of the work, or limiting the variety of operations involved in its creation. This talk proposes a fourfold classification of the limits most often encountered in music creation into material (absolute and relative), formal, style/genre, and process constraints. The role of constraints as a spur and guide to musical creativity is explored in the domains of composition, improvisation, and performance, with examples drawn from contemporary composers including György Ligeti, George Aperghis, and James Tenney. Such musical constraints are comparable to self-imposed limitations in other art forms, from film (the Dogme 95 Manifesto) and visual art (Robert Morris’s Blind Time Drawings) to the writings of authors associated with the Oulipo (Ouvroir de littérature potentielle) such as Georges Perec and Raymond Queneau.

Resumo do Seminário
A musicologia e a análise musical não tem respondido eficazmente à prática musical criativa, particularmente na documentação as muitas inovações composicionais dos últimos quarenta anos. Este período é marcado por um uso crescente de tecnologia tanto na composição quanto no desempenho, bem como uma mudança dos parâmetros bem compreendidos de tom e ritmo para o mundo mais complexo e indescritível do timbre (frequentemente em conjunto com técnicas de reprodução estendida e electrónica em processamento ao vivo). Com base no meu próprio ensino na Eastman School of Music e na McGill University (assim como meu curso anual de verão em análise musical em Paris), este seminário explorará os desafios e recompensas de se envolver com esse repertório. Os tópicos a serem abordados incluem trabalhar com compositores vivos, materiais de esboço e processo de composição, desenvolvimento de novas ferramentas (espectrogramas, sonologia sonora) e reavaliação de pressupostos tradicionais de teoria e análise. Questões práticas da pedagogia da música contemporânea também serão consideradas, com exemplos de George Benjamin, Pascale Criton e Rebecca Saunders.

Musicology and music analysis have fallen considerably behind creative musical practice, particularly in documenting the many compositional innovations of the past forty years. This period is marked by an increasing use of technology in both composition and performance, as well as a shift from the well understood parameters of pitch and rhythm towards the more complex and elusive world of timbre (often in conjunction with extended playing techniques and live electronic processing). Drawing on my own teaching at Eastman School of Music and McGill University (as well as my annual Paris summer course in music analysis), this seminar will explore the challenges and rewards of engaging with this repertoire. Topics to be covered include working with living composers, sketch materials and compositional process, development of new tools (spectrograms, aural sonology), and reassessing traditional assumptions of theory and analysis. Practical issues of contemporary music pedagogy will also be considered, with examples from George Benjamin, Pascale Criton, and Rebecca Saunders.
 

Nota biográfica
O teórico musical e compositor Robert Hasegawa faz parte do corpo docente da Escola de Música Schulich da Universidade McGill (Montreal) desde 2012. Seus principais interesses de investigação incluem música espectral, timbre e orquestração, microtonalidade e percepção / cognição musical. Projectos recentes incluem estudos de música de Gérard Grisey e Tristan Murail, um artigo sobre teoria atonal para o New Grove Dictionary of Music and Musician, um capítulo sobre a entonação estendida apenas para o volume Théories de la composition musicale au XXe siècle, e aplicações de teoria transformacional para a análise da música microtonal por Hans Zender e Georg Friedrich Haas. Para além da sua actividade docente na McGill, ele oferece um curso anual de Verão em Paris sobre a teoria e análise da música contemporânea.

Music theorist and composer Robert Hasegawa joined the faculty of the Schulich School of Music of McGill University (Montreal) in 2012. His primary research interests include spectral music, timbre and orchestration, microtonality, and music perception/cognition. Recent projects include studies of music by Gérard Grisey and Tristan Murail, an article on atonal theory for the New Grove Dictionary of Music and Musicians, a chapter on extended just intonation for the volume Théories de la composition musicale au XXe siècle, and applications of transformational theory to the analysis of microtonal music by Hans Zender and Georg Friedrich Haas. In addition to his teaching at McGill, he offers a yearly summer course in Paris on the theory and analysis of contemporary music.